Feito à Mão, Mimo de Junho é um Bloquinho Produzido Utilizando a Técnica da Tipografia

Publicado em Tags ,

Enquanto o mundo caminha para as inovações tecnológicas, soluções digitais, rapidez e prontidão, um dos últimos gráficos exclusivos existentes, continua trabalhando para manter viva a arte da tipografia. E quem não gosta de adquirir um objeto exclusivo, único, com personalidade, feito à mão mas com muito cuidado e técnica?

São justamente estas características que sustentam o mimo escolhido para presentear os assinantes Coffee & Joy no mês de Junho / 19: um bloquinho de anotações feito à mão. Produzido por uma tecnologia muito antiga, criada no século XV, mas que confere a este mimo, a sua singularidade e perfeição.

Venha conhecer mais sobre este incrível presente, neste vídeo do Matias, o último tipógrafo existente:

 

A Tipografia

A tipografia é o processo de criação na composição e impressão de um texto, dando ordem estrutural e forma à comunicação escrita. Foi criada no século XV pelo alemão Johannes Gutenberg. O conceito básico é a utilização dos chamados tipos para compor diferentes textos.

Os tipos são letras em relevo gravadas em madeiras ou chumbo e funcionam como um verdadeiro quebra cabeça de carimbos, que, juntos, formam as palavras , que originarão textos inteiros.

Era muito usada para se montar textos para serem impressos antes da existência do computador e dos softwares de design. Mas hoje é uma arte que corre o risco de extinção pois, apesar do enorme valor artístico, é pouco atraente para os clientes pela demora e custos de produção em comparação ao mercado gráfico atual.

Matias: O Último dos Moicanos

Matias é tipógrafo desde antes de nascer, como ele mesmo diz. Seus pais eram gráficos, se conheceram no trabalho e passaram a paixão para o filho, que começou na tipografia ainda criança, com 10 anos de idade.

Hoje, com 71 anos, tem orgulho em ser um dos últimos tipógrafos existentes e trabalha duro para não deixar esta arte gráfica morrer.

Sua pequena gráfica ainda está ativa nos fundos da sua casa, em Belo Horizonte. Com máquinas com décadas de história, hoje trabalha em carreira solo, como ele mesmo diz, com as encomendas que chegam, quando chegam.

As gavetas guardam as pequenas fontes de madeira e chumbo que são montadas, uma a uma, para que, como um grande carimbo Matias faça manualmente as impressões dos pedidos.

Matias fala que sabe que a profissão está extinção, está ultrapassada, mas lembra que “é só o que sei fazer e é o que vou continuar fazendo pelo resto da minha vida. Não existe um plano B para mim, que sou o ‘último dos moicanos'”, conta com confiança, o super simpático e bem humorado tipógrafo.

O Mimo de Junho

O trabalhoso processo da tipografia deu origem ao mimo dos assinantes do mês de Junho / 19. Matias produziu os bloquinhos, um a um, reutilizando aparas de outros trabalhos para fazer o miolo do bloco, como ele mesmo diz.

Restos de papel usados na produção, transformaram-se em mais um mimo super útil para os assinantes. A impressão, corte, refilamento, grampeado e montagem foi toda feita pelas mãos do Matias.

Ele também é responsável pela impressão dos bichos nas embalagens Coffee & Joy.

Ele faz tudo sozinho, um a um, na contramão da tecnologia, mas a favor do trabalho com sentido, manual e especial, o que deixa tudo perfeito e único.

E porque tipografar? Uma arte quase esquecida, trabalhosa e completamente manual? A tipografia como tecnologia está superada. Mas o aspecto tátil e artesanal que essa técnica traz aos trabalhos, contrapondo-se à extrema perfeição e assepsia da impressão digital, por exemplo, garante a sua personalidade e singularidade.

O que hoje está quase extinto por um mercado dinâmico e impaciente demais para valorizar a arte minuciosa dos tipos móveis que deram origem a todo e qualquer impresso, se transforma em um presente único para os assinantes de cafés Coffee & Joy. Cada assinante vai receber um mimo e um pouco do trabalho deste tipógrafo incrível, um bloco de notas feito na oficina do Matias, lugar que não tem computadores, emails ou qualquer outra modernidade eletrônica.