O café é a bebida mais consumida do mundo depois da água. Tamanha popularidade dessa bebida fez com que ao longo dos anos novas formas de preparo fossem criadas ao redor do mundo. (Sorte a nossa! rs) Mas será que o sabor do café fica diferente, dependendo da forma que ele é preparado? Para tirar essa dúvida, a gente comparou o mesmo café em vários métodos e, dessa vez, queremos saber: qual a diferença do café feito na Cafeteira Italiana e na Prensa Francesa?

No final do post, tem as outras 7 comparações que fizemos usando outros métodos, como o coador, hario V60, Clever, Aeropress, etc.

Continue lendo ou assista ao vídeo:

 

Sobre a Cafeteira Italiana

A cafeteira italiana, que também é chamada de moka, foi inventada na Itália e patenteada em 1933 por Alfonso Bialetti. Ela foi criada a partir de uma necessidade dos italianos de conseguirem replicar (ou chegar ao mais perto possível), dos cafés feitos pelas máquinas de espresso, que eram muito populares na época.

A moka, portando, proporcionou uma alternativa de preparar o café bem próximo dos cafés espressos de cafeterias, mas que podia ser feito de forma fácil no conforto de casa.

Essa praticidade toda faz com que ela seja uma das cafeteiras mais populares do mundo e pode ser encontrada com facilidade em lojas e na internet. Todavia, a marca mais famosa é a que leva o nome do seu inventor: a Bialetti. 

O design tradicional da cafeteira italiana da Bialetti até hoje é usado como base para outras empresas que vendem cafeteiras italianas. O modelo é tão icônico, que está exposto no MoMA (The Museum of Modern Art) em Nova York no departamento de Arquitetura e Design.

Nós já fizemos um post mostrando a diferença entre cafeteiras italianas e como escolher a melhor para cada caso. Veja o post completo aqui.

Sobre a Prensa Francesa

A Prensa Francesa é uma das formas mais clássicas de preparar café. Sua primeira versão foi patenteada na França, em 1852. No entanto, o modelo que é mais conhecido hoje foi desenvolvido em 1929 pelos italianos Attilio Calimano e Guilio Moneta.

A Prensa Francesa pode ser preparada com muita praticidade e elegância, além de deixar o ato de fazer café ainda mais charmoso. Existem prensas de diversos tamanhos e materiais, o que possibilita escolher a que melhor atende seu estilo de vida.

Basicamente, a Prensa Francesa prepara o café por meio da infusão. O café é moído grosseiramente e fica em contato com a água quente por até 4 minutos. Após esse tempo, utilizamos um êmbolo para separar a bebida do café moído.

Nós já fizemos um post mostrando a diferença entre prensas francesas e como escolher a melhor para cada caso. Veja o post completo aqui.

A Batalha dos Métodos

Até quem não gosta de café já viu uma cafeteira italiana e prensa francesa por aí. Apesar de não serem tão comuns como os coadores e filtros de pano, essas duas formas de preparar café já vem invadindo a casa dos amantes de cafés.

E para saber o que cada um entrega na xícara e no dia a dia, colocamos os dois lado a lado, usando um mesmo café e proporção.

Usamos o café Rubi Silvestre, da assinatura da coffee&joy, que é frutado, com notas de frutas vermelhas cristalizadas, chocolate amargo e leve floral. Possui acidez alta cítrica, corpo cremoso e finalização longa.

A acidez alta e as notas frutadas serão o ponto chave para comparar esses dois métodos e ver o que cada um entrega. E não podemos esquecer: café não é tudo igual. Se você ainda não conhece a diferença entre cafés tradicionais, extra fortes e cafés especiais, tem um post completo aqui

Para cada método, usamos 30g de café, que é o máximo que cabe na nossa cafeteira italiana. Usamos a mesma quantidade para a prensa francesa. No primeiro, a moagem recomendada é a média e, para o segundo, a grossa.

Fizemos a moagem logo antes de preparar, pois as notas ficam mais perceptíveis e o café fica mais gostoso. Por isso, se for fazer em casa, se possível, moa na hora. Mas caso não tenha moedor, não tem problema. Peça um café fresco e moído antes de ser enviado para você, com a moagem na medida certa. Acesse aqui e saiba como. 

Para preparar o café, fizemos a capacidade total da cafeteira italiana, colocando água até abaixo da válvula de pressão e colocamos em fogo baixo. Tiramos o café na hora que começou a espirrar em cima.

Na prensa francesa, colocamos o café e a água por 03:00 minutos, mas no primeiro minuto, mexemos o café para hidratar o pó que sobe e forma uma crosta em cima. Abaixamos o êmbolo e já servimos em seguida.

Se quiser ver mais detalhes sobre os preparos, o passo a passo e mais informações sobre os equipamentos, acesse aqui.

Veja só o resultado:

CAFETEIRA ITALIANA:  A cafeteira italiana tem acidez presente, mas média para baixa, uma doçura média, com corpo denso e a finalização é persistente e longa, lembra fruta e chocolate. Ao contrário da prensa francesa, tem menos presença da percepção das notas sensoriais, destacando mais a finalização. O café sai muito quente, tem que tomar cuidado na hora de tomar. Na xícara apresenta alguns resquícios de pó, o que é normal já que não leva filtro de papel. É definitivamente um método para quem gosta de café mais intenso, mais “forte” e mais parecido com o espresso. Os melhores cafés para usar aqui, são os cafés mais doces.

PRENSA FRANCESA: Na prensa o café fica mais vivo, é possível perceber melhor a característica sensorial de acidez, e também a doçura e o corpo. Tem mais presença das notas, é possível sentir bem claramente as notas de frutas e de chocolate. É uma forma de preparar café muito parecida com o processo de prova profissional de café (o cupping) e a gente vê tudo o que o café tem para oferecer. Na xícara, os óleos ficam mais perceptíveis e o líquido também fica mais turvo, já que alguns pós de café passam pelo filtro. Cafés com perfis sensoriais mais achocolatados e doces, que lembram caramelo, castanhas e especiarias são os mais indicados para o preparo da prensa francesa, mas cai bem com cafés frutados também.

Comparamos os atributos sensoriais entre as duas cafeteiras e o resultado foi este daqui:

Se quiser aprofundar mais no assunto, veja aqui o que são as notas sensoriais dos cafés e como identificá-las no café.

Indo um pouco além, comparamos a diferença da cafeteira italiana e prensa francesa, levando em conta outros pontos, como limpeza, praticidade, dificuldade e versatilidade.

Pontuamos cada um deles numa escala de 1 a 5, veja só:

Vejas as outras edições da Batalha de Métodos:

– 1a edição: Diferença do Café Feito na Prensa Francesa e no Filtro de Papel.

– 2a edição: Diferença do Café Feito no Coador com Filtro de Papel e no Coador com Filtro de Inox 

– 3a edição: Qual a Diferença do Café Feito no Filtro de Pano e no Filtro de Papel?

– 4a edição: Qual a Diferença do Café Feito na Aeropress  e na Prensa Francesa?

– 5a edição: Qual a Diferença do Café Feito no Koar, na Hario V60 e na Melitta?

– 6a edição O Impacto do Material do Coador no Sabor do Café – Qual a Diferença de Coador de Plástico e Coador de Cerâmica?

– 7a edição: Qual a Diferença do Café Feito no Coador Melitta e na Clever?

Conclusão

A cafeteira italiana foi inventada como uma opção para que as pessoas pudessem reproduzir o café espresso da cafeteria em casa. Por isso, ela possui um sistema que preparar um café mais intenso, mais “forte”.

Também é ótima para quem gosta de fazer drinks com café usando outros ingredientes (leite e chocolate, por exemplo). No blog, inclusive, tem várias receitas de drinks de cafeteria para fazer em casa.

Já a prensa francesa, traz mais clareza nas notas sensoriais dos cafés especiais. Aqui, o café ficava mais “vivo”, é possível sentir mais a acidez, a doçura e o corpo.

Além disso, é uma forma mais fácil de fazer café e é perfeita para quem gosta de fazer café para várias pessoas, já que tem prensa francesa de até 1 litro. Sem falar que é elegante e prática para colocar na mesa para várias pessoas.

Agora, me conta, qual a sua melhor forma de fazer café e qual dessas duas cafeteiras é a sua preferida?

Comprar cafés especiais